Premissas do controle interno

0
187

O controle interno é baseado em 9 premissas:


1. Custo x Benefício do Controle

2. Atribuição de Responsabilidades;

3. Definição Rotinas Internas; 

4. Limitação do Acesso aos Ativos; 

5. Segregação de Funções;

6. Confronto dos Ativos como os Registros;

7. Amarrações do Sistema;

8. Auditoria Interna; e

9. Limitações do Controle Interno. 



QUESTÃO ERRADA: As atribuições de cada servidor de unidade não devem ser conhecidas pelos demais, para se evitar contaminação ou conluio.



Atribuições de Responsabilidades


As atribuições dos funcionários, setores e departamentos internos da empresa devem ser claramente definidas e limitadas, de preferência por escrito nos manuais da organização. Em suma, todos devem saber quais são suas responsabilidades – o que podem e o que não podem fazer.  Dessa forma, é possível assegurar que todos os procedimentos de controle serão executados, que as irregularidades e erros serão detectados, e que a responsabilidade por eventuais falhas e desvios será apurada. 



QUESTÃO ERRADA: O manual de organização deve ser de uso restrito dos órgãos de controle da entidade, servindo como referência à verificação do cumprimento das rotinas estabelecidas.


Definição das Rotinas Internas Outro princípio relevante do controle estabelece que a empresa deve definir em seus manuais de organização todos os seus processos, procedimentos e rotinas. A normatização interna deve estabelecer, de maneira formal, as regras internas necessárias ao funcionamento da entidade. 

Advertisement



QUESTÃO CERTA: A entidade deve limitar o acesso dos servidores a seus ativos, como, por exemplo, no manuseio de cheques já assinados.

 
Limitação do Acesso aos Ativos


A empresa deve limitar o acesso de seus funcionários a seus ativos e estabelecer controles físicos sobre eles. Procedimentos como controle de acessos ao caixa e numerário, controle da entrada e saída de funcionários e materiais, senhas de acesso a contas bancárias são exemplos de controles que se revelam essenciais para proteger os bens e valores de uma entidade.