Derivativos

0
278

QUESTÃO CERTA: Derivativos são instrumentos financeiros cuja avaliação a valor justo deve ser reconhecida em contas de resultado e, quando o derivativo for utilizado como instrumento de hedge de ativo financeiro designado como disponível para venda, essa avaliação poderá ser reconhecida em conta do patrimônio líquido.

O CPC 48 deve ser aplicado à contabilidade de operações de hedge para itens em moeda estrangeira.

Na aplicação da contabilidade de operações de hedge, a entidade é requerida a tratar contabilmente algumas variações cambiais diferentemente do tratamento previsto por esta Norma para as variações cambiais. Por exemplo, a CPC 48 requer que as variações cambiais advindas de item monetário, qualificado como instrumento de hedge em operação de hedge de fluxo de caixa, sejam inicialmente reconhecidas em conta específica de outros resultados abrangentes (dentro do patrimônio líquido), na extensão da eficácia da operação de hedge. 

Conceito: O objetivo deste pronunciamento é estabelecer princípios para o relatório financeiro de ativos financeiros e passivos financeiros que devem apresentar informações pertinentes e úteis aos usuários de demonstrações contábeis para a sua avaliação dos valores, época e incerteza dos fluxos de caixa futuros da entidade.

A conta do PL usada é ajuste de avaliação patrimonial.

QUESTÃO CERTA: O registro das aplicações em instrumentos financeiros derivativos com realização em curto prazo ocorrerá no ativo circulante pelo seu valor justo (fair value), quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda.

QUESTÃO ERRADA: Os derivativos disponíveis para venda classificados no ativo realizável a longo prazo devem ser avaliados pelo valor de custo de aquisição e ajustados pelo valor provável de realização caso este seja inferior ao valor de custo.

ERRADO

Segundo o art. 183, I, “a” e “b” da lei 6.404, os derivativos para venda do ativo realizável a longo prazo devem ser avaliados pelo valor justo (valor pelo qual um ativo pode ser negociado entre partes interessadas, conhecedoras do negócio e independentes entre si).

Ele seria avaliado pelo valor de custo de aquisição, tal como afirma a questão, somente no caso das demais aplicações e dos títulos de crédito (mantidas até o vencimento).

Art. 183. I – as aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos de créditos, classificados no ativo circulante ou no realizável a longo prazo:

a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda; e

b) pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização, quando este for inferior, no caso das demais aplicações e os direitos e títulos de crédito;

QUESTÃO ERRADA: Para que um investimento seja caracterizado como instrumento financeiro derivativo, deve ocorrer desembolso inicial para a contratação, mesmo que esse desembolso seja inferior ao que seria exigido em contratos financeiros de outra natureza.

Informações imprescindíveis acerca dos derivativos (extraídas do CPC 48):

. Seu valor muda de acordo com a alteração de uma variável (taxa, índice, preço e etc)

. Se a variável for não financeira, não deve ser específica a uma das partes

. Não exige investimento líquido inicial

. Liquidado em data futura

Gabarito: Certo

Derivativos

BA.1 Os exemplos típicos de derivativos são contratos futuros, a termo, de swap e opções. O derivativo normalmente possui valor nocional, que é valor de moeda, número de ações, número de unidades de peso ou volume ou outras unidades especificadas no contrato. Entretanto, o instrumento derivativo não exige que o titular ou lançador da opção invista ou receba o valor nocional no início do contrato.

CPC 48, PAG. 136 

QUESTÃO CERTA: A parcela efetiva de ganhos ou perdas resultantes de instrumentos financeiros derivativos destinados a hedge de fluxo de caixa integra à categoria outros resultados abrangentes.

Os componentes dos outros resultados abrangentes incluem:

(a) variações na reserva de reavaliação, quando permitidas legalmente;

(b) ganhos e perdas atuariais em planos de pensão com benefício definido reconhecidos conforme item 93A do Pronunciamento Técnico CPC

33 – Benefícios a Empregados;

(c) ganhos e perdas derivados de conversão de demonstrações contábeis de operações no exterior;

(d) ganhos e perdas na remensuração de ativos financeiros disponíveis para venda;

(e) parcela efetiva de ganhos ou perdas advindos de instrumentos de hedge em operação de hedge de fluxo de caixa.

QUESTÃO CERTA: Derivativo é um instrumento financeiro, ou outro contrato dentro do alcance do CPC, que apresenta, entre outras características, a de ser liquidado em data futura.

Conforme CPC 14: DERIVATIVO: é um instrumento financeiro ou outro contrato previsto neste CPC, que demonstra cumulativamente as três características:

– Amarrado a um índice e seu valor se altera com a flutuação desse índice;

– Não é necessário desembolso inicial do valor OU o desembolso necessário é muito menor

– DEVE ser liquidado em DATA FUTURA

[ñ transcrito, está resumido]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui