COSO E Limitação Do Controle Interno

0
772

FCC (2020):

QUESTÃO CERTA: Um dos argumentos da estrutura preconizada pelo Internal Control – Integrated Framework, edição do Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO) consiste em proporcionar à administração um meio de: aplicar o controle interno a qualquer tipo de entidade, independentemente da indústria ou da estrutura legal, nos níveis de entidade, unidade operacional ou função.

Para a administração e a estrutura de governança, o COSO proporciona:

Um meio de aplicar o controle interno a qualquer tipo de entidade, independentemente da indústria ou da estrutura legal, nos níveis de entidade, unidade operacional ou função.

Fonte: COSO – Controle Interno – Estrutura Integrada (Tradução livre do original em inglês) Sumário Executivo; maio, 2013.

CEBRASPE (2015):

QUESTÃO CERTA: Mesmo que adote medidas efetivas para aprimorar seus controles internos, uma organização ainda estará sujeita a perdas no caso de a sua direção tomar decisões inadequadas — seja por erros de avaliação, seja por avaliações tendenciosas —, por se tratar de uma limitação à efetividade dos controles internos.

“o efetivo gerenciamento de riscos corporativos, não importa o quanto seja bem projetado e operado, apenas proporcionará uma segurança razoável, à administração e ao conselho de administração, quanto ao cumprimento dos objetivos de uma organização. A realização dos objetivos é afetada por limitações inerentes a todos os processos administrativosEssas limitações incluem o fato que o julgamento humano no processo decisório pode falhar, e que os colapsos podem ocorrer em decorrência dessas falhas humanas, como erros ou equívocos simples. Além disso, os controles podem ser neutralizados por conluio de dois ou mais indivíduos, e a administração dispõe da capacidade de desabilitar o processo de gestão de riscos corporativos, inclusive decisões de resposta a risco e atividades de controle. Outro fator limitante é a necessidade de considerar os custos e os benefícios associados às respostas a riscos.” COSO (2007).

CEBRASPE (2013):

QUESTÃO CERTA: Organizações estão sujeitas a perdas significativas de todo e qualquer tipo provocadas por simples falhas humanas, como erros operacionais. Nesse caso, tal situação se caracteriza como uma limitação à efetividade dos controles internos.

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE – NBC TA 315, DE 24 DE JANEIRO DE 2014

Dá nova redação à NBC TA 315 que dispõe sobre a identificação e a avaliação dos riscos de distorção relevante por meio do entendimento da entidade e do seu ambiente.

A53. O controle interno, não importa o quão efetivo, pode fornecer à entidade apenas segurança razoável quanto ao cumprimento dos objetivos das demonstrações contábeis da entidade. A probabilidade de seu cumprimento é afetada por limitações inerentes do controle interno.  Estas incluem os pressupostos de que o julgamento humano é falho e de que rupturas no controle interno podem ocorrer por erro humano.  Por exemplo, pode haver erro na concepção ou na modificação do controle. Igualmente, a operação de controle pode não ser efetiva, por exemplo, quando as informações apresentadas para os fins do controle interno (por exemplo, relatório de exceção) não são usadas efetivamente porque o indivíduo responsável pela revisão das informações não compreende o seu propósito ou deixa de tomar a ação apropriada.

CEBRASPE (2013):

QUESTÃO CERTA: Controles internos não apresentam em seus princípios ações de prevenção contra decisões equivocadas tomadas por gestores, o que caracteriza uma limitação a sua efetividade.

O controle interno não é capaz de evitar julgamentos errôneos ou más decisões, ou ainda eventos externos que impeçam a organização de atingir suas metas operacionais. Em outras palavras, até mesmo um sistema eficaz de controle interno pode apresentar falhas. As limitações podem ser resultado de:

• adequação dos objetivos estabelecidos como uma condição prévia ao controle interno;

• realidade de que o julgamento humano na tomada de decisões pode ser falho e tendencioso;

• falhas que podem ocorrer devido a erros humanos, como enganos simples;

• capacidade da administração de sobrepassar o controle interno;

• capacidade da administração, outros funcionários e/ou terceiros transpassarem os controles por meio de conluio entre as partes; 

• eventos externos fora do controle da organização.

CEBRASPE (2013):

QUESTÃO ERRADA: Empresas em que os sistemas ou métodos de processamento de dados são sofisticados e informatizados alcançam efetivo controle interno, devido à menor interferência de pessoas nesse controle.

Advertisement

CEBRASPE (2013):

QUESTÃO ERRADA: A impossibilidade de aplicação dos seus princípios no nível dos processos de negócio se constitui em uma limitação da estrutura de controles internos.

COSO

Componentes e princípios

A Estrutura estabelece 17 princípios, que representam os conceitos fundamentais associados a cada componente. Como esses princípios são originados diretamente dos componentes, uma entidade poderá ter um controle interno eficaz ao aplicar todos os princípios.

Todos os princípios aplicam-se aos objetivos operacionais, divulgação e conformidade. Os princípios que apoiam os componentes do controle interno estão relacionados a seguir.

COSO – I

O controle interno não é capaz de evitar julgamentos errôneos ou más decisões, ou ainda eventos externos que impeçam a organização de atingir suas metas operacionais. Em outras palavras, até mesmo um sistema eficaz de controle interno pode apresentar falhas. As limitações podem ser resultado de: 

• adequação dos objetivos estabelecidos como uma condição prévia ao controle interno;

• realidade de que o julgamento humano na tomada de decisões pode ser falho e tendencioso;

• falhas que podem ocorrer devido a erros humanos, como enganos simples;

• capacidade da administração de sobrepassar o controle interno;

• capacidade da administração, outros funcionários e/ou terceiros transpassarem os controles por meio de conluio entre as partes; e

• eventos externos fora do controle da organização. 

Quadrix (2019):

QUESTÃO CERTA: Em relação às limitações de efetividade do controle interno, assinale a alternativa correta: Eventos externos fora do controle da organização podem influenciar sua efetividade.

Quadrix (2019):

QUESTÃO ERRADA: O julgamento humano na tomada de decisões não costuma ser falho nem tendencioso.

Quadrix (2019):

QUESTÃO ERRADA: A administração é incapaz de sobrepassar o controle interno.

Quadrix (2019):

QUESTÃO ERRADA: Os controles são imunes a serem transpassados por conluios entre a administração, outros funcionários e terceiros.

CEBRASPE (2013):

QUESTÃO CERTA: O conluio de funcionários pode resultar em falhas de controle, uma vez que funcionários podem alterar dados do sistema, omitir informações e falsificar relatórios, o que gera risco interno e evidencia a limitação do controle interno.

Quadrix (2019):

QUESTÃO ERRADA: O controle interno não deve ter como condição prévia a adequação dos objetivos estabelecidos.

CEBRASPE (2013):

QUESTÃO CERTA: Ao encontrar oportunidades nos negócios, as organizações devem tomar suas decisões com base nas informações disponíveis no momento e em tempo razoável, dadas as pressões inerentes ao mercado. Entretanto, ideias novas surgidas e avaliadas após a tomada de decisões podem modificá-las, o que evidencia a limitação do controle interno.